Visão

livre de se expressar 2

    Num país habituado à dependência e à subserviência face a um Estado autoritário, interventor, promotor de servilismo e de subordinação hierárquica perante os que capturam o poder e o exercem de forma impositiva, dominadora, despótica e ditatorial, este movimento será olhado como um grupo de loucos, radicais, utópicos e masoquistas.

   Estamos muito conscientes das propostas provocadoras, irreverentes e desafiantes que iremos fazer aos poderes ocultos, instalados e poderosos que se articulam  à volta do Estado.

   Iremos sofrer todo um conjunto de insultos, ameaças, desgaste psicológico e moral, destruição do bom nome e …. da vida privada. Afinal iremos seguir os passos do nosso Mestre que foi condenado e crucificado pelo Estado, representado pelo poder político (Pilatos) e religioso (Sumo Sacerdote e Sinédrio).